Baudolino

8577990028_TaEu sempre me surpreendo em reparar como livros importados, em geral, conseguem ser mais baratos que as edições nacionais. Por vezes a diferença é mesmo gritante, ficando na metade ou em até um terço do preço; em especial as edições em inglês e francês tendem a chegar nesse nível. O que acontece é que há uma vasta tradição lá fora de lançamentos em formatos mais baratos, com papéis menos luxuosos e tamanho de bolso (os famosos pocket books, para quem for dado a estrangeirismos), o que não é exatamente o padrão por aqui; em geral, até pouco tempo atrás, apenas clássicos saíam nesse formato, como nas séries editadas pela L&PM e Martin Claret. Só mais recentemente, e felizmente, há uma adesão maior à idéia, com alguns livros mais interessantes saindo em edições baratas. Um ótimo exemplo é a coleção BestBolso, da editora Best Seller (afiliada ao grupo Record), que consegue ter um acabamento muito bem cuidado sem por isso sair de um preço convidativo; pertencem à ela, por exemplo, o já resenhado por aqui O Jogo das Contas de Vidro, de Herman Hesse, e também este Baudolino.

O livro, do mesmo Umberto Eco que escreveu o clássico O Nome da Rosa, conta a história de Baudolino, filho adotivo do imperador Frederico Barba-Ruiva, que, preso na Constantinopla tomada pelos cruzados, encontra o historiador Nicetas Coniates. Enquanto o ajuda a fugir da cidade, Baudolino relata a história de como ele, nascido pobre em um pequeno vilarejo italiano, foi adotado pelo grande soberano do Sacro-Império, e, após a sua morte, empreendeu uma jornada fantástica para o oriente em busca do reino mítico de Preste João nas Índias, passando entre ambos os eventos por um curioso envolvimento na construção e difusão de diversos ícones do imaginário medieval. O bizantino, é claro, não acredita em tudo o que lhe é contado, e se cria assim uma narrativa em dois tempos em que o próprio texto por vezes critica e reflete sobre a história que conta, lembrando um pouco o que acontece em O Cavaleiro Inexistente, de Italo Calvino.

É um livro difícil de classificar exatamente; mistura o romance histórico, embaralhando personagens fictícios em eventos históricos conhecidos, com o romance de aventuras e o conto fantástico, com viagens até terras longínquas habitadas por seres maravilhosos, e há até mesmo um flerte com a história de mistério, com direito à clássica cena de enumeração de suspeitos para desevendar um crime insolúvel. Em todos os gêneros pela qual passa, no entanto, Baudolino continua uma obra cativante e tocante; talvez Eco não tenha toda a virtuose narrativa de um Calvino ou a prosa fabulosa de um Jorge Luís Borges, mas é ainda assim um autor muito eficiente em contar suas histórias e com uma imaginação bastante fértil, capaz de criar algumas passagens memoráveis em tom de fábula e fantasia. Certamente recomendado para qualquer um que goste de épicos de aventura e fantasia, especialmente aqueles de temática medievais, ou apenas de uma boa leitura repleta de momentos marcantes.

About these ads

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Sob um céu de blues...

Categorias

@bschlatter

Estatísticas

  • 169,413 visitas

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: