Kwaidan – Ghost Stories and Strange Tales of Old Japan

doverpublications_2041_373815585Lafcadio Hearn, numa simplificação bem grosseira, pode ser considerado uma espécie de irmão Grimm do folclore japonês. Apesar de ser na verdade europeu e ter construído carreira como jornalista nos Estados Unidos, foi no Japão, para onde se mudou no fim do século XIX e passou seus últimos anos, que ele encontrou a fonte das suas principais e mais conhecidas obras, compostas por histórias e fábulas pesquisadas em livros antigos ou registradas a partir de conversas com habitantes locais, traduzidas e adaptadas por ele para o público ocidental. Algumas delas, inclusive, estão disponíveis para download gratuito e legalizado pelo site do Projeto Gutemberg, um banco de dados online de obras livres de direitos autorais (mas em inglês).

Kwaidan – Ghost Stories and Strange Tales of Old Japan foi o seu último livro publicado antes de morrer, em 1904, e, entre outras coisas, foi a base de um filme japonês de mesmo nome lançado em 1964 e hoje com status de cult. Como o subtítulo já deixa bem claro, trata-se de uma pequena coletânea de histórias japonesas sobre fantasmas e outras situações estranhas. Não diria que são exatamente histórias de terror e suspense, no entanto – há algumas exceções, mas a impressão que eu tive é que a maioria delas é contada de forma curta e direta demais para serem capazes de criar medo e ansiedade com muita eficiência; há um certo ar de estranhamento e inesperado, sem dúvida, mas os mistérios em geral são pouco fomentados, e não há toda aquela tensão sobre o que pode acontecer na próxima página que se tem em alguns livros do Stephen King, por exemplo, ou mesmo de alguns bons mangás de terror. Me parece, no entanto, que isto vem muito mais da origem das histórias do que propriamente de um defeito delas – há uma pegada de narrativa oral no seu desenvolvimento que não é bem transposta para a linguagem escrita, e, com todas as suas criaturas fabulosas e situações bizarras, não é difícil de imaginar que o efeito poderia ser diferente se elas me fossem contadas em um ambiente mais adequado, como, digamos, em uma roda de acampamento ou festa do pijama.

O que também não é tirar outros méritos que elas possuem, claro. Segundo o autor deixa a entender no prefácio, kwaidan pode ser traduzido de alguma forma como weird tales, ou contos estranhos – e é impossível não fazer aí uma referência à famosa revista pulp norte-americana onde foram publicados nomes como Robert E. Howard e H. P. Lovecraft, bem como ao movimento new weird que reinvindica a sua descendência. E, de fato, o lado weird das histórias é o que elas têm de melhor, com criaturas mágicas e inesperadas, e toda aquela imaginação distorcida e exuberante pela qual os japoneses são tão conhecidos. Há mesmo algumas histórias que se destacam mais pelo tom de fábula do que propriamente pelo sobrenatural, em especial a bela The Dream of Akinosuké e a descrição do reino fantástico de Horäi; e a parte final do livro, intitulada Insect Studies, é composta por pequenos ensaios a respeito de alguns insetos (borboletas, mosquitos e formigas), desvendando seus simbolismos a partir de fábulas e elementos da cultura oriental. Em geral, eu diria que o Japão do livro está muito mais próximo do videogame Okami do que do mangá Vagabond – é o Japão da magia, da fantasia e do exotismo, muito mais do que o dos samurais monolíticos e códigos de honra anacrônicos, do qual eu não consigo deixar de me achar um pouco saturado ultimamente.

Enfim, não consigo dizer que qualquer um vá gostar de Kwaidan. Pode ser uma leitura insossa e sem brilho para alguém esperando suspense e ação, por exemplo, como um thriller escrito para virar blockbuster de cinema. Por outro lado, eu, ao menos, consigo ver valor e ser cativado puramente pelo bizarro e o estranho, e isso o livro tem de sobra. E, ainda, acredito que seja também um bom material de referência, para quem quiser conhecer um pedaço da cultura e do imaginário nipônicos mais diversificado e aprofundado do que Lobos Solitários e Últimos Samurais.

Anúncios

1 Response to “Kwaidan – Ghost Stories and Strange Tales of Old Japan”



  1. 1 Resenha – Déjà-Vu – Inominattus Trackback em 24/07/2009 às 10:32

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Sob um céu de blues...

Categorias

Arquivos

@bschlatter

Estatísticas

  • 198,801 visitas

%d blogueiros gostam disto: