Astro City – Samaritano e Outras Histórias

Falar de super-heróis pra mim sempre vai ter um certo sabor de nostalgia. Cresci lendo muita coisa da Marvel e uma ou outra da DC, que inclusive são responsáveis por boa parte da minha formação literária enquanto jovem, já que me recusava a ler todos aqueles clássicos obrigatórios da escola (alguns dos quais acabei por ler mais tarde e até gostei, mas manter a minha rebeldia adolescente era certamente mais importante na época). Hoje, no entanto, acho a maioria das histórias do gênero um tanto enfadonhas demais – ou se vai no caminho de uma diversão acéfala, daquela que você lê enquanto come um xis-salada num bar e depois esquece a revista no balcão, ou vão no caminho oposto, buscando se justificar por meio de referências eruditas, desconstruções temáticas, virtuosismos narrativos e sagas intermináveis que, no fim, acabam sendo mais chatas do que interessantes. Tanto é assim que nem me interesso em realmente acompanhar e comprar qualquer série de super-herói seriada – só compro coisas pontuais, que eu possa acompanhar sem muito compromisso ou, pelo menos, sem um compromisso de prazo muito longo.

Enfim, é realmente difícil achar um bom meio termo, algo que não seja nem tanto Era de Prata, nem tanto Alan Moore; que saiba reconhecer que super-heróis simplesmente não devem ser levados a sério demais – como o ridículo de imaginar um homem adulto com cueca por cima da calça e capa vermelha pode comprovar -, e também que diversão genuína e descompromissada não significa necessariamente diversão acéfala e inofensiva. Difícil, mas não impossível; basta saber quais autores procurar. Grant Morrison é um deles, como quem leu a ótima Grandes Astros Superman certamente pôde comprovar. Pessoalmente, no entanto, acredito que o melhor roteirista para histórias de super-heróis seja Kurt Busiek, alguém que consegue entender bem a natureza do material com que lida, e não tenta impor sua própria concepção sobre ele. E histórias como as de Astro City demonstram bem isso.

A série foi criada pelo autor em conjunto com o desenhista Brent Anderson, e apresenta uma cidade onde super-heróis existem pelo menos desde o século XIX, e de fato tem uma presença tão marcante na cidade que suas batalhas e feitos chegam a fazer parte das atrações anunciadas em guias turísticos. A primeira parte da revista ilustra bem isso – com uma história curta sobre justamente uma turista que acaba envolvida em uma dessas “atrações”, seguido do que seriam algumas páginas do Guia dos Visitantes de Astro City, com textos sobre a história da região, mapa da cidade e algumas fichas de heróis locais (muitos deles levemente ‘inspirados’ por personagens famosos de outros universos); poderia ser usado como base para um cenário de RPG em uma campanha de supers sem grandes problemas. Parece-me que o guia está incompleto, no entanto: a parte sobre a história local termina com um “continua na p. 46”, mas não há qualquer continuação posterior.

A segunda parte da revista contém uma história do Samaritano, que seria o equivalente ao Super-Homem do universo de Astro City, e serve bem para ilustrar aquilo tudo que eu levei dois parágrafos para falar. Vemos o confronto dele contra o Infiel, seu principal rival, sob o ponto de vista do segundo; nada de mega-batalhas cósmicas, no entanto, mas apenas um duelo de ideais em meio a uma conversa durante um jantar. Este é talvez o grande marco das histórias de Busiek: vemos os super-heróis também no seu dia-a-dia, vivendo como pessoas comuns e lidando com questões cotidianas. Há na história referências a confrontos passados entre os personagens, claro, que são rememorados pelo Infiel à medida que conversa com seu rival; o roteiro é perfeitamente conduzido, a narrativa sem excessos ou virtuosismos desnecessários. Mesmo as referências mais profundas são explanadas pelos próprios persoangens, e usadas sempre em função da história contada, e não como justificativa para ela. Enfim, uma história de super-herói que sabe ser adulta sem ser intelectualóide, além de cativante sem ser infantil.

O volume é completo ainda com uma história da Primeira Família, um genérico do Quarto Fantástico neste universo, que originalmente foi lançada em uma edição separada antes de ser reunida às outras duas neste encadernado. A história conta um pouco sobre Astra, a caçula da família, e a vida que ela leva em meio a invasões alienígenas e outras ameaças cósmicas – antes de ser divertida, no entanto, é uma vida melancólica, que a mantém longe de crianças da sua idade, ao ponto de um simples jogo de amarelinha intrigá-la profundamente. Os mesmos méritos da história anterior também aparecem aqui: uma história cativante, que apresenta bem os problemas de uma infância isolada e super-protegida, mas sem por isso deixar de ser divertida, com direito mesmo a algo de sátira nas referências aos universos de super-heróis clássicos.

Enfim, recomendado pra quem é fã do gênero.

2 Responses to “Astro City – Samaritano e Outras Histórias”



  1. 1 Pequenos Heróis « Rodapé do Horizonte Trackback em 24/01/2011 às 22:04
  2. 2 Astro City | Rodapé do Horizonte Trackback em 04/05/2016 às 17:31

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Sob um céu de blues...

Categorias

Arquivos

@bschlatter

Estatísticas

  • 193,078 visitas

%d blogueiros gostam disto: