O Passado

Nuvens coloridas, luzes piscando e um céu rodopiando: assim era o Passado. Sons se misturavam aos movimentos, formando uma massa quase sublime de tontura e desequilíbrio. Era como se todos fossem o centro de tudo, ao mesmo tempo.

O viajante foi absorvido pelo ambiente, levado pela onda de drinques que o atingiu. Era difícil dizer onde estava, ou o que fazia – apenas esbarrava em tudo, de um lado, do outro. Era cercado por lapsos: tudo ficava escuro, tudo ficava vazio, e então tudo voltava ao normal, ou tão normal quanto poderia. Havia risos – escuridão – luzes. Voz – vazio – pessoas. Braços – nada – chão. Lábios – espaço – pernas.

E então acordou. Perdido, tonto, ele olhou em volta e reconheceu uma parede, um teto. Mas que parede, que teto? Virou-se mais uma vez, e deparou-se com um dedo, que lhe tocou os lábios como quem pede silêncio. Antes que pudesse discernir outra imagem, ouviu uma voz sublime, melódica, ecoando pelo mundo, como que vindo de todo lugar:

– O que acontece no Passado, fica no Passado. – e sumiu junto com todo o resto.

Anúncios

1 Response to “O Passado”



Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Sob um céu de blues...

Categorias

Arquivos

@bschlatter

Estatísticas

  • 197,720 visitas

%d blogueiros gostam disto: