Tiny Tina’s Assault on Dragon Keep

dragonkeepBorderlands é uma das séries da última geração de consoles mais bem sucedidas, e não é pra menos. Os valores de produção são excelentes, o estilo de jogo é cativante, misturando uma série de gêneros diversos, junto ainda com uma construção de cenário, narrativa e personagens de primeira linha. E, talvez o principal, há um foco no humor negro e na diversão que supera todo o resto: enquanto séries como Call of Honor: Black Battlefield of Duty Ops e seus genéricos derivados se focam em um realismo chat– digo, extremo, Borderlands quer mais é fazer coisas explodirem, te fazer bater de frente com um monstro gigantesco, então fazer mais coisas explodirem, e completar tudo com uma piada sarcástica. Não é à toa que é uma das poucas (a única?) série que conseguiu vencer a minha resistência natural ao gênero dos jogos de tiro em primeira pessoa.

Todos esses fatores se conjugam muito bem em Tiny Tina’s Assault on Dragon Keep, a mais recente expansão lançada como conteúdo baixável para o Borderlands 2. O nome já dá uma dica do que se trata: uma grande homenagem aos RPGs e histórias de fantasia como um todo. O enredo da expansão se concentra não em uma missão propriamente dita, mas uma espécie de jogo dentro do jogo. O protagonistas se encontram em volta de uma mesa jogando uma partida de Bunkers & Badasses mestrada pela Tiny Tina do título, e o que você “joga” realmente é a história desta campanha, com direito a comentários em off dos jogadores recebidas pelo comunicador permeando as missões.

O cenário da campanha, é claro, é fortemente inspirado pela fantasia medieval – cavaleiros, dragões, magos e todo o resto -, mas sem esquecer da ficção científica aloprada que é tão marcante na série. Granadas são substituídas por feitiços clássicos – relâmpago, mísseis mágicos, bola de fogo; e há raças tradicionais como orcs e anões, mas é claro que eles possuem espingardas e rifles de precisão. Em uma determinada side quest, você chega mesmo a ganhar uma das armas mais fodônicas da história (e perdoem-me, mas não existe outro adjetivo para ela): uma espingarda que dispara espadas explosivas, que quando explodem disparam novas espadas explosivas na área ao redor.

No meio disso, uma pilha interminável de referências, tantas que se transformam quase em um jogo em si mesmo. Há uma side quest em que você se vê em meio a jogadores fictícios de MMORPGs, outra que referencia mais diretamente Demon’s / Dark Souls, outra ainda inspirada pelo clássico desenho O Aprendiz de Feiticeiro, uma em que você deve, ahem, passar por um mago através de uma passagem estreita em uma mina subterrânea, e outra em que o seu objetivo é simplesmente bater, bater e bater mais um pouco em um certo príncipe aprendiz de psicopata chamado Jeffrey. Cada linha de diálogo, seja as legendas que avançam a história ou as ditadas como frase de efeito por um inimigo genérico, pode conter até uma dúzia de referências escondidas.

O fato é que Borderlands, a série, é muito divertida por si só, e Tiny Tina’s Assault on Dragon Keep consegue ser uma diversão ainda maior para qualquer um que já tenha rolado um d20 (motivo, aliás, que se repete intermináveis vezes durante a expansão). Recomendo muito que quem tiver o jogo à disposição experimente.

0 Responses to “Tiny Tina’s Assault on Dragon Keep”



  1. Deixe um comentário

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Sob um céu de blues...

Categorias

Arquivos

@bschlatter

Estatísticas

  • 193,026 visitas

%d blogueiros gostam disto: