Deathless, de Catherynne M. Valente

– Eu saboreio a amargura – ela nasce da experiência. É o privilégio daquele que realmente viveu. Você, também, deve aprender a preferi-la. Afinal, quando todo o resto se for, você ainda pode ter amargura em abundância.

Catherynne M. Valente, Deathless.

Anúncios

0 Responses to “Deathless, de Catherynne M. Valente”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Sob um céu de blues...

Categorias

Arquivos

@bschlatter

  • E desde então sou capaz de ouvir Raça Negra e Led Zeppelin e tirar o mesmo senso de fruição estética de ambos. 2 hours ago
  • Foi justamente quando me dei conta disso que larguei os preconceitos besras com pagode, sertanejo, funk e outros só por serem populares. 2 hours ago
  • Nesse rolo do "gosto é construção cultural", o engraçado é que pra mim isso foi, na verdade, extremamente libertador. 2 hours ago
  • RT @NtflxGenerator: Formulários, carimbos e maconha. Só mais um dia de trabalho de Saul, palhaço. 20 hours ago
  • RT @NtflxGenerator: Trotes, infortúnios, grampos, delação premiada. Quando um casal inclui um estagiário na relação, é complicação garantid… 20 hours ago

Estatísticas

  • 197,183 visitas

%d blogueiros gostam disto: