White Noise, de Don Delillo (2)

Como é estranho. Nós temos esses medos profundos e contínuos sobre nós mesmos e as pessoas que amamos. E ainda assim caminhamos, falamos com pessoas, comemos, bebemos. Nós conseguimos funcionar. Os sentimentos são profundos e reais. Eles não deviam nos paralisar? Como nós conseguimos sobreviver a eles, mesmo que por algum tempo? Nós dirigimos um carro, damos uma aula. Como ninguém enxerga o quão amedrontados nós estávamos, na noite passada, esta manhã? É algo que escondemos uns dos outros, por consenso mútuo? Ou nós compartilhamos do mesmo segredo sem saber? Vestimos o mesmo disfarce.

0 Responses to “White Noise, de Don Delillo (2)”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s




Sob um céu de blues...

Categorias

Arquivos

@bschlatter

Estatísticas

  • 215.129 visitas

%d blogueiros gostam disto: