Posts Tagged 'tecnofantasy'

Monstress – Despertar

monstress_despertarMonstress chama a atenção logo na capa. A imagem da protagonista em um majestoso unicórnio branco, dentro de uma construção misteriosa e com tentáculos negros pelo chão, é bastante evocativa por si só, realçado pelo traço belíssimo da artista Marjorie Liu. Há mesmo um alto relevo na capa dura, que revela uma série de símbolos místicos se olhada contra a luz, e as capas das edições avulsas são também sempre muito bonitas e evocativas. Elas chamam a atenção, e despertam a curiosidade sobre o que há dentro dos volumes.

Nas primeiras páginas então você já é jogado em um mundo vibrante de estilo art déco, repleto de detalhes em cada vestimenta, cada arma fantástica, cada construção. A arte sozinha preenche o mundo de vida e personalidade, antes que você sequer comece a se dar conta do que está acontecendo; quando após algumas páginas as interações entre personagens e situações apresentadas começam a fazer sentido, você já está dentro dele há muito tempo.

Esta é a história de Maika Halfwolf, uma arcânica em busca de vingança, que carrega dentro de si um poder misterioso que pode trazer a ruína para todo o mundo onde vive. Isso a faz perseguida pelas duas facções em conflito – tanto o império teocrático humano como a corte de seres fantásticos e seus descendentes arcânicos -, que, antes de representarem moralidades absolutas, acabam revelando muitos tons de cinza na forma como a tratam e nas ambições que possuem para ela. É uma história sobre guerra e sobreviventes, mas também sobre escravidão, preconceito e a dificuldade em conter – ou aceitar – nossos demônios interiores (estes, aliás, bem literais).

Buscando uma referência popular, a contracapa classifica o cenário da série como steampunk. Eu diria, no entanto, que está além disso – é mais próximo de uma tecnofantasy, um cenário de fantasia que explora aquele território nebuloso em que a magia e a tecnologia se misturam, como um jogo da série Final Fantasy (com a qual é frequentemente comparado em resenhas, inclusive). Há armas de fogo de design exóticos, compostos químicos misteriosos com poderes milagrosos, e também seres fantásticos como gatos falantes, animais humanoides e guerreiros-assassinos de técnicas mirabolantes. As autoras (além da artista Marjorie Liu, a roteirista Sana Takeda) misturam uma grande gama de influências, com influências bem claras dos tropos de fantasia dos mangás e outros quadrinhos orientais.

E há os deuses antigos – outra influência de origem bem óbvia. Seres ancestrais mortos séculos antes da história começar, vagam sem vida pela terra, causando desconforto e adoração. Cada página em que um deles aparece é um espetáculo à parte, dominando a paisagem com aquela sensação de assombro e maravilhamento.

Enfim, é uma obra espetacular, que não vejo sendo muito comentada – à parte por ter ganho o Hugo de melhor história em quadrinhos de 2017, um dos principais prêmios da literatura de terror, fantasia e ficção científica. Deixo muito a recomendação aqui, quebrando esse jejum de resenhas.

O Baronato de Shoah – A Canção do Silêncio

O Baronato de Shoah – A Canção do Silêncio é o livro de estréia do autor paulistano José Roberto Vieira. Ele tem sido celebrado como o primeiro romance de fantasia nacional pensado desde a sua concepção como parte da estética steampunk – no entanto, esta é uma afirmação com a qual eu vou ter que discordar. Mais do que puramente máquinas a vapor (que no livro ainda é substituído pelo Nepl, ou Névoa, uma espécie de combustível místico-sobrenatural), o steampunk também se destaca por toda uma abordagem específica em cima de elementos do século XIX e o período vitoriano na Inglaterra; o cenário do livro, ao contrário, tem muito mais comum com a nossa própria época, com direito a bares noturnos e carros possantes a cada esquina. A impressão que eu tive, assim, é que ele tem muito mais em comum com o que alguns chamam de tecnofantasy, a fantasia tecnológica que marca certos jogos eletrônicos japoneses, em especial os da série Final Fantasy.

Nomenclaturas à parte (e quem liga realmente para um nome, certo?), o cenário do livro realmente não faria feio em qualquer exemplar da famosa franquia. Tudo o que você esperaria de um jogo da série está lá: armas impossíveis (em especial a bacanuda espadasserra que ilustra a capa), monstros destruidores, barcos voadores, poderes pirotécnicos… Há até um robô gigante, o que é sempre uma adição bem-vinda. A história de Sehn Hadjakkis e a sua sheyvet de companheiros envolve mesmo uma ameaça de apocalipse (que acaba, é claro, em uma grande batalha épica entre o herói e o vilão) e um segredo ancestral sobre a vida, o universo e tudo mais, como geralmente ocorre nos melhores destes jogos. E a sua inspiração na mitologia hebraica, embora em um primeiro momento crie algum estranhamento com tantos nomes esquisitos jogados no ar já nos primeiros capítulos, também ajuda a criar todo um clima diferente e único, dando um pequeno sopro de novidade para quem já está enjoado de meros dragões nórdicos e samurais misteriosos (o que não quer dizer que eles não dêem as caras eventualmente, é claro).

Não vou dizer também que o livro seja livre de falhas. Me incomodou principalmente o aspecto mais técnico e formal, no nível da construção frasal e de parágrafos mesmo, que algumas vezes me pareceu que podiam ter algumas arestas melhor aparadas; mas isso é esperado também de um romance de estréia, quando se está ainda montando um estilo próprio e experimentando com estruturas e formas de contar a história, e é o tipo de coisa que deve incomodar mais outros escritores (ou aspirantes a) do que propriamente o leitor comum. A fluidez do enredo também deixa a desejar em alguns pontos específicos, com alguns momentos que ocupam espaço sem parecer ter relevância maior para a história toda (como a história da menina-fantasma Minerva), e alguns personagens que acabam se tornando um tanto caricatos no seu desenvolvimento (em especial a protagonista Maya Hawthorn). Na maior parte do tempo, no entanto, ele corre muito bem, e é o tipo de livro que você consegue ler facilmente em poucos dias, já que, em especial nos momentos finais, consegue criar muito bem a tensão e apreensão sobre o que ocorrerá a seguir e o destino que terão certos personagens.

Em todo caso, mesmo com os poréns destacados, O Baronato de Shoah – A Canção do Silêncio ainda é uma leitura muito divertida, na qual alguém que tenha crescido jogando Final Fantasy e/ou assistindo animes como Neon Genesis Evangelion e Full Metal Alchemist certamente vai ir do início ao fim com um sorriso nos lábios, por reconhecer todas as referências e inspirações que foram usados na sua construção. É para estes, principalmente, que eu sei que posso recomendar o livro sem medo.


Sob um céu de blues...

Categorias

Arquivos

@bschlatter

Estatísticas

  • 207.409 visitas